domingo, 7 de novembro de 2010

Sakineh Ashtiani.

Mas que mania,
Sakineh Ashtiani,
não há deus nenhum,
em lado nenhum.

Há só uns homens de barbas,
alguns, uns dez-reis-de-gente,
que impõem dogmas e lendas,
para não sabermos pensar.

Isso de haver deus,
é só passado,
Ashtiani.

O que vemos pelo Mundo,
ou não,
é apenas fome,
miséria
e dor.

E gente satisfeita,
porque não?...

Se o for realmente...

Tudo o mais
é essa terra árida
donde só saem pedras.

E a vida mesquinha
que te obrigaram a viver.

Voa, Ashtiani, voa
como voam as aves,
deixa o teu pensamento
ser um céu.

A terra onde vives
parece só ter pedras
e homens cinzentos.

Há tanta gente
que, como tu,
não é feliz...

Agora, o deus...

1 comentário:

  1. um poema muito bonito, que parece sublimar a dor que o nome Sakineh nos traz a mente.

    Quem dera os dirigentes deste mundo tivessem a sua sensibilidade...o mundo seria infinitamente melhor.

    abraços

    ResponderEliminar